quarta-feira, 16 de maio de 2018

Joias feitas com material de Construção.


Anel "Areia" de Silvia Blumberg

Silvia Blumberg é uma joalheira que se preocupa muito com a sustentabilidade e resolveu incorporar essa proposta em seu trabalho.
Em suas joias convivem harmoniosamente o pó de madeira, cimento, papel, vidro, pó de tijolo, prata, ouro e pedras preciosas. Isso mesmo!
Há dez anos ela vem pesquisando sobre como trazer para as joias materiais que seriam descartados.
Essa sua preocupação foi "amplificada" quando atuou como voluntárias às famílias vítimas de enchentes em Santa Catarina.

Veja mais em https://oglobo.globo.com/rio/bairros/designer-lanca-colecao-de-joias-feitas-partir-de-materiais-de-construcao-22654194

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Joias de Nariz.

Que tal? Você usaria?



A designer de joias Joanne T cria "Joias Nasais". E não são piercings.
As peças são compostas por metais nobres, pérolas e diamantes.
A proposta de Joanne é provocar a percepção de beleza e autoidentidade.
Num momento em que as pessoas vêem, cada vez mais, "defeitos" em seus corpos, porque não "abraça-los e aprimorá-los pelas joias", diz a designer.

Fonte: www.lilianpacce.com.br

terça-feira, 17 de abril de 2018

Caso de Amor imortalizado em Joia de Arte.



Monyke Mandelli Zabukas é a joalheira que deu "vida" a uma história de amor antiga.
Deu vida também ao prazer do pai em ofertar à filha querida uma lembrança física de uma viagem que os uniu de forma tão "mágica" e emocionante.
Um "simples" seixo, que se deixou moldar, numa forma tão perfeita, pela correnteza das águas. Águas de um local que foi o cenário de um grande e memorável (e doloroso) amor.

Linda história.
Lindo presente.
Linda joia.

Parabéns aos envolvidos.
Nos dá grande prazer e orgulho ver a Joalheria possibilitando emoções como essas.

Veja os detalhes desse processo:



Uma breve história do nascimento de uma joia.
A viagem a Portugal começou a ser planejada em setembro de 2016 após Lígia, minha filha, comentar sobre a história de Inês de Castro que a havia impressionado, e também sobre o Convento de Mafra descrito no livro Memorial do Convento de José Saramago, e assim foi que sua paixão pelas histórias me motivou a viajar com ela para os locais citados em tais contos. 
Lígia

É claro que pela motivação inicial o clima da viagem era de caça a história, e com esse objetivo esboçamos um roteiro que incluía o Mosteiro de Alcobaça, onde estavam, a tumba de Dom Pedro I e a tumba de D. Inês de Castro, o Convento de Mafra e a Fonte das Lágrimas em Coimbra além de tantos outros lugares. E assim em 24 de fevereiro após uma rápida passagem por Madri, desembarcávamos em Lisboa, e como sempre sentindo a emoção de estar nesse país, de tantas coisas comuns a nós! 
A partir daí todo o roteiro deu-se como o planejado, sempre com minha irmã e Lígia, ambas apaixonadas pela literatura portuguesa e pela história de Portugal, nos abastecendo com informações sobre os detalhes de cada um dos lugares, por onde passávamos, e suas respectivas histórias. 
Finalmente em 03 de março já em Coimbra, saímos logo de manhazinha do hotel em direção a Fonte das Lágrimas. Decidimos ir a pé, para aproveitar a manhã agradável que fazia, no trajeto passamos pelo Largo da Portagem e seguimos pela margem do Rio Mondego. Já próximo ao Parque das Lágrimas, subitamente Lígia parou e indicou um objeto em meio a vegetação da margem! Ao observar sua forma, imediatamente refleti sobre a história que aquele seixo devia carregar em si, ao ponto do seu rolar milenar por tantas águas tê-lo esculpido nessa forma tão perfeita! Decidi então transformá-lo em uma lembrança à Lígia, já que ela havia sido a motivadora da viagem. 
Seixo Bruto

Já no interior do Parque das Lágrimas onde a lenda diz que D. Inês de Castro se encontrava com Dom Pedro e onde fora assassinada a mando de Dom Afonso IV, a emoção que havia no ar nos envolveu a todos, e nesse clima tomei a decisão de banhar o seixo nas águas de ambas as fontes, a Fonte dos Amores e a Fonte das Lágrimas, para agregar também à sua história, a história deste “real” amor português, que talvez suplante a ficção de Romeu e Julieta em beleza e dor.
De volta para São Paulo, procurei a artista Monyke Mandelli Zabukas, que ao ver o seixo abriu um largo sorriso, e foi nesse momento que percebi que sua criatividade e seu toque mágico já começavam a transformar o seixo bruto na joia que se tornou.
Imagens da Joia: José Terra Nogueira
 São Paulo, 21 de março de 2018.
João Bosco Pellattiero de Oliveira

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Concurso 14o. PortoJoia Design 2018 - EXPONOR


ADOREI o tema dessa edição do Concurso da PortoJoia.
NARCISISMO "The need of me". Pessoas que se amam exageradamente, que adoram sua imagem.
Tão visível nas Redes Sociais, nas Selfies, um desejo quase desesperador de ser reconhecido e admirado. A Joia vem aí com a proposta de elevar a autoestima, que cada um se sinta bem com o que é.
Podem participar Estudantes e Formandos de cursos de arte, design e ourivesaria, desde que apresentada comprovação.
Os trabalhos devem ser enviados entre os dias 25 a 29 de junho de 2018.
Premios especiais!!
Veja o Regulamento, Termo de Responsabilidade e Ficha de Inscrição no site do Atelier Márcia Pompei.
Boa sorte!!


sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

66a. FENINJER - fevereiro 2018


Então vamos lá, mais uma FENINJER na história.
A feira parece diminuir a cada ano, infelizmente. Tomara que tenha mais sorte do que a saudosa Tecnogold.
Ouro Amarelo imperando mas o Ouro Rosa chamou minha atenção em peças de muito bom gosto, em algumas vitrines. O ródio negro ainda muito visto.
Esmeraldas e mais esmeraldas. Turmalinas Paraíba e Tanzanitas, sim, elas estavam lá em boa quantidade, tanto nas vitrines das joalherias quanto nos expositores de pedras. Por falar em Tanzanitas... elas estão em sintonia com a tabela Pantone da nova temporada.
Aliás! Pouquíssimos expositores de pedras e preços nada atraentes (me perdoem meus amigos pedristas).
Opalas em várias vitrines, me surpreendeu.
Muita estamparia, muito laser. Peças leves e básicas.
Anéis de Sobreposição, com muitas variações. (Aline Joias, NF Joias)
Joias Masculinas ganhando espaço.
Ear Hooks são os queridinhos da vez. Fáceis de usar, mesmo para quem não tem o segundo furo na orelha.


Joia Guilherme Duque em Rutenio colorido quimicamente


Adorei ver ao vivo uma das peças de Rutenio Colorido da Guilherme Duque. Cor viva e acentuada, chama a atenção, todo mundo percebe que ...isso é diferente... Gostei também da entrevista concedida à Feninjer. Parabéns à Guilherme Duque. Pena que o vendedor presente no stand não deu muita atenção ao meu interesse.



Delícia poder bater um papo com a brilhante Dirce Zamora da Forum Romano. Além de empresária de sucesso uma mulher extremamente simpática. As peças estavam lindas, pena que o regulamento  da feira não permitiu fotografar.











De uma forma geral senti que a indústria joalheira está se "reinventando". Como uma fênix ela se nega a morrer. Materiais alternativos em algumas vitrines (Guilherme Duque, Benne Fatto), design arrojado em outras (Katz, Forum Romano), uso de gemas "não convencionais" (De L´Amour, Laura Hueb), criatividade em peças para públicos "menos prováveis" como crianças pequenas (Nardini), coragem em ousar e quebrar tabus, como no uso do ródio negro e pedras negras, de forma "intensa" (Deri, Grupo Ilumini).


A F. Magazine está online.




sábado, 3 de fevereiro de 2018

Designer de Joias - boas novas para 2018!



Analistas indicam algumas profissões que têm boas perspectivas para 2018 e próximos anos.
Uma delas é a de Designer de Joias.
O espaço para as artes visuais, design e criatividade vem crescendo ano após ano.
O Design  (e o designer) está em alta. Designer de produtos, gráfico, de interiores, têxtil e o de joias também.
Imagem: reprodução online.

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Joias feitas de Computador...



Ouro reciclado de placas mãe. SIM! assim são feitas as joias da coleção lançada pela empresa Dell na Tec Mundo que acontece em Las Vegas. 
São 9 itens, em parceria com a Bayou with Love. 
Anéis, brincos e acessórios, alguns contam com Opalas.


Há tempos recebemos alunos, de vários cantos do Brasil, para o curso de Recuperação de Metais Nobres no Atelier Pompei.
Alguns não atuam na área da Joalheria mas vêm com o propósito de extrair ouro e metais nobres de insumos e descartes de indústrias ou pequenas produções.


Segundo Jeff Clarke, vice-presidente do Conselho da Dell, em declaração ao TNW: "Quando você reflete sobre o fato de existir 800 vezes mais ouro em uma tonelada de placas-mãe do que em uma tonelada de minério vindo da terra, você começa a entender a oportunidade enorme que temos para colocar materiais valiosos em uso".
Opa! Isso mesmo. Nada pode ser descartado quando ainda pode ser reutilizado.
Novos tempos. Parabéns à Dell. Que seja um exemplo para outras empresas.